Português Italian English Spanish

Presidente do Banco Central do Brasil confirma lançamento da moeda digital do Brasil a partir de 2022

Presidente do Banco Central do Brasil confirma lançamento da moeda digital do Brasil a partir de 2022

Data de Publicação: 23 de novembro de 2021 15:02:00
Fim do dinheiro físico

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, confirmou que o regulador irá, a partir do ano que vem, lançar a primeira versão do Real Digital, a moeda digital do Brasil.

Segundo afirmou Campos Neto durante uma palestra no Meeting News, organizado pelo Grupo Parlatório, esta primeira versão será uma prova de conceito para o BC avaliar diversos aspectos referentes ao modelo de CBDC proposto pela instituição. Além disso o BC pretende testar diferentes plataformas para o CBDC, inclusive com o uso de blockchain. 

No entanto, o presidente do BC afirmou que uma versão final do Real Digital deve ser lançada aos brasileiros somente em 2024, quando o PIX e o Open Banking estiverem mais maduros e, desta forma, habilitando o sistema do CBDC nacional.

Ainda durante o Campos Neto voltou a afirmar que o BC estuda formas de regulamentação para as criptomoedas, no entanto, com foco em veículo de investimento e não como moeda.

“Já começa a afetar até as contas nacionais, o que significa que virou um instrumento relevante de investimento e está afetando o balanço de pagamentos do Brasil já que os numeros da importação de criptoativos estão inseridos na balança comercial”, afirmou ele.

Real Digital e Defi

A proposta do Banco Central do Brasil com o Real Digital é diferente da maioria dos CBDCs que vem sendo anunciados pelo mundo, tendo a China como um dos casos mais proeminentes.

Assim enquanto boa parte das nações visa o desenvolvimento de uma moeda digital para o varejo (pagamentos e transferências entre pessoas e instituições) o BC pretende que o Real Digital seja voltado para aplicações financeiras orientadas pelo dinheiro programável, ou seja, contratos inteligentes, finanças descentralizadas, Dapps, entre outros.

A revelação foi feita em julho por Fábio Araujo, coordenador do projeto do Real Digital dentro do BC, que afirmou que o CBDC nacional não tem como foco a inclusão financeira que já é dada por outras ferramentas digitais como as desenvolvidas pelas fintechs, bancos digitais e mesmo pelo Pix.

Contudo, o Banco Central mira com o Real Digital justamente permitir a construção ou interligação do sistema financeiro nacional com as finanças descentralizadas (DeFi) e com os contratos inteligentes (smart contracts) que são, na sua opinião, as grandes contribuições do ecossistema do Bitcoin (BTC) e das criptomoedas.

"Nós vemos este mercado de Defi que está surgindo e que trás uma nova maneira de apresentar serviços financeiros que pode ser muito mais adequado para a população. Você têm uma facilidade de manipulação de contratos nesse ambiente que você não tem no ambiente bancário tradicional", disse.

Nesta linha Araujo revelou que o BC pretende trazer este ambiente de inovação dos criptoativos para dentro do Banco Central e, com ele, impulsionar novos casos de uso para melhorar os serviços financeiros prestados para a população.

"Estes pontos fundamentais do ambiente cripto nós pretendemos trazer para dentro do nosso perímetro regulatório para fazer uma coisa massificada para dar acesso a mais pessoas. Nós pretendemos fazer uma coisa mais padronizada para que as pessoas possam fazer uso no dia a dia. O que a gente quer trazer é as tecnologias dos smart contractas e do Defi para dentro para que a gente possa atingir o público mais amplo", disse na época.

 

Presidente do Banco Central do Brasil confirma lançamento da moeda digital do Brasil a partir de 2022

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário